A importância da Gestão de Vulnerabilidades

Muitas organizações cuidam bem da segurança física de suas sedes, com fechaduras, vigilantes e câmeras, mas negligenciam a segurança digital. Assim, informações comerciais valiosas acabam à mercê de gente mal intencionada – e com isso temos sequestros de dados, fraudes financeiras, sabotagem comercial e outros problemas graves.

Entra em cena a gestão de vulnerabilidades, uma prática que deveria ser tão comum quanto trancar as portas ao final do expediente.

As maiores fontes de problemas

O processo começa com a identificação das origens de vulnerabilidades. Eis as mais comuns:

  • Softwares desatualizados: novas brechas são descobertas constantemente, e consertadas pelos desenvolvedores. Se o usuário não atualizar o software, porém, as brechas permanecem;
  • Falhas estruturais: servidores mal configurados, ausência de firewall e de um antivírus confiável são fontes de risco que demandam mais do que uma simples atualização;
  • Falhas humanas: existem erros de segurança especialmente comuns cometidos por usuários, como criar senhas fracas, reaproveitar senhas, clicar em links mal intencionados, ou fornecer informações a pessoas de fora (como no caso de phishing);
  • Softwares mal estruturados: há aplicações que, infelizmente, não são seguras o bastante, mas ainda assim são usadas dentro das organizações, seja por questão de preço ou por não se conhecer a sua ineficiência;

Como se trata de um processo contínuo e possivelmente complexo (dependendo da estrutura da organização), é recomendado ter uma equipe dedicada especialmente à gestão de vulnerabilidades.

Organizar, priorizar e solucionar

Feita a investigação, é preciso listar as vulnerabilidades e priorizar quais devem ser solucionadas primeiro. O quarto passo é o de resolver ou, dependendo do caso, mitigar as falhas de segurança.

Olhando-se para as origens, as soluções muitas vezes se tornam evidentes: manter os softwares atualizados, orientar os colaboradores em relação a práticas seguras, substituir aplicações vulneráveis…

Outras soluções são menos óbvias, tais como:

  • Adotar sistemas de monitoramento de rede e infraestrutura;
  • Criar um processo contínuo de backup de dados;
  • Adotar processos de autenticação em duas etapas (dando preferência à validação no local de acesso, por meio de tokens USB criptografados ou apps para gerar códigos de verificação);
  • Investir em SaaS ou computação em nuvem;
  • Criar políticas de controle de acesso mais rígidas;
  • Adotar soluções de segurança dedicadas.

 

A Prime Control oferece uma série de serviços para testar e monitorar a segurança dos seus sistemas. Clique aqui e agende uma conversa.

 

ISG Provider Lens™ – Quadrant Report
Versão customizada do Relatório ISG Provider Lens™ Next-gen Application Development & Maintenance (ADM) Services 2020 – Brazil

Baixe agora mesmo

O ISG Provider Lens™ é um estudo que avalia pontos fortes e fracos de provedores de serviços, bem como sua posição no mercado em relação aos seus pares. Seu relatório fornece insights importantes para a escolha de parceiros. É a única avaliação de provedores de serviços do gênero a combinar pesquisas empíricas baseadas em dados e análises de mercado com a experiência e observações reais da equipe de consultoria global da ISG. A pesquisa cobre atualmente provedores que atendem EUA, Alemanha, Austrália, Reino Unido e Brasil.

Baixe gratuitamente agora mesmo