Colocando em prática os testes contínuos

DevOps depende de práticas integradas e contínuas para gerar velocidade e qualidade. Sem isso, não é possível implementar os testes contínuos.

A integração contínua frequentemente incentiva os desenvolvedores a armazenar seus códigos num repositório compartilhado, assim iniciando builds automatizadas. A integração contínua gera a necessidade de testes contínuos. Testes contínuos não são fáceis de implementar, porém, eles geram vantagens únicas para as equipes de desenvolvimento:

  • Atividades de testes totalmente integradas ao pipeline de desenvolvimento
  • Requer boa cobertura dos testes automatizados, o que traz eficiência e padronização.
  • O aumento da automação possibilita aos testadores mais tempo para utilização de métodos exploratórios.
  • As equipes sentem mais confiança na qualidade do produto antes da entrega.

Apesar dos testes contínuos serem bastante eficazes, existem alguns obstáculos que impedem isso. Como, por exemplo, a automação de testes que não deveriam ser automatizados e o não armazenamento dos testes como códigos com um sistema de controle de versão. O primeiro problema se encaixa na estratégia de testes, já o segundo dificulta a manutenção e reutilização dos testes.

Vamos listar agora 5 boas práticas para os testes contínuos fluírem bem.

1. Garanta que exista uma boa fundação para a automação de testes

Uma plataforma sólida de integração contínua é crucial. Os seguintes critérios precisam ser atingidos:

  • Os desenvolvedores devem poder escrever testes unitários que serão automaticamente executados.
  • O sistema mostra quais testes tiveram êxito ou falharam.
  • O sistema realiza todas as ações para criar uma build funcional completa do software depois ter sido aprovado pelos testes.

A maior parte das equipes almeja automatizar os testes unitários, funcionais e de regressão. As aplicações de automação de testes de software lidam com a execução dos testes automatizados e relatórios. As equipes também precisarão de ferramentas para planejamento, controle de versão para o código fonte e gerenciamento de testes que integre os testes aos processos DevOps, para melhor rastreamento e administração.

2. Considere usar BDD

Os teste contínuos devem priorizar a automação, o que significa um bom alinhamento com o BDD. O BDD não é a única forma de conseguir implementar os testes contínuos, mas ele incentiva uma colaboração contínua entre PO (product owners), desenvolvedores e testadores. Os cenários focam em como as futuras atualizações vão afetar os usuários, proporcionando clareza aos objetivos de desenvolvimento. Existem algumas ferramentas no mercado que possibilitam transformar cenários de usuários em testes automatizados, como o Cucumber, através da linguagem Gherkin.

3. Empoderar equipes de QA

As equipes de QA podem criar, editar e rodar a maior parte dos testes, mas em DevOps, a influência vai além disso. QA pode garantir que cada membro da equipe leve adiante as tarefas dos testes contínuos durante o ciclo de desenvolvimento. Se os desenvolvedores não estão automatizando os testes unitários, o QA tem o direito de intervir. Os líderes das equipes de QA podem guiar os membros nas estratégias de testes, o que inclui balancear a quantidade certa de testes manuais e automatizados. Por último, o pessoal de QA sabe que uma equipe não consegue testar todos os cenários possíveis, e com esse julgamento, a opinião deles pesa na hora de decidir quando partir para a entrega.

4. Ser analítico com os testes automatizados

É fácil pensar em automatizar todos os testes, porém isso seria um desperdício. Existem alguns cenários distintos em que os testes manuais são uma abordagem mais adequada. Por padrão, recomenda-se automatizar todos os testes unitários. Contudo, é mais complexo escrever automação de testes funcionais, de performance e outros tipos de teste, por isso tenha bem definido qual será automatizado. Faça uso dos testadores manuais e de seus conhecimentos. Eles podem ajudar os engenheiros de automação a identificar as melhores áreas para automatizar. Testes exploratórios também são importantes na estratégia de automação, já que eles geram novos cenários e informações.

5. Testes contínuos vão além da automação de testes

A automação é uma parte fundamental para fazer os testes contínuos acontecerem, mas ela não se trata apenas de executar testes. Você precisa automatizar processos que notifiquem os testadores quando um código sofrer alteração. Também serão necessárias notificações automatizadas quando a integração contínua estiver completa e a próxima etapa estiver pronta para ser testada. É importante provisionar automaticamente ambientes rapidamente para rodar os testes. Automatizar outras funções de QA ajuda na redução de erros, mantém o projeto em andamento, além de evitar estresse.

Conclusão

Há muita informação espalhada acerca da mudança de cultura necessária para a transição para testes contínuos nas equipes de QA. A liderança precisa compreender os desafios e garantir que todos estejam focados no mesmo objetivo. Além disso, uma estratégia detalhada, somada à ferramentas, responsabilidades e processos adequados, garantem que os testes contínuos sejam organizados. Sem uma estrutura, a equipe de QA comprometerá os esforços ágeis e DevOps.

A Prime Control dispões de um framework completo de automação de testes e integração contínua. Para saber mais, fale conosco.

Testes End-to-End no mundo SAP

Como testar processos complexos e integrados aos sistemas SAP

Ambiente SAP são complexos e interligados à várias outras plataformas, formando uma teia de dados difícil de gerenciar, garantindo segurança e estabilidade das aplicações.

Neste White Paper apresentamos alguns destes desafios e também algumas abordagens que podem lhe ajudar a solucionar estes dilemas.

Baixe agora mesmo