Encontrando bugs nos jogos eletrônicos.

Os testes são importantíssimos em todas as etapas de desenvolvimento de um jogo. O sucesso de um jogo depende do lançamento sem bugs e glitchs. Muitas produtoras investem milhões no desenvolvimento, mas acabam deixando passar falhas que atrapalham o gameplay e com isso, as vendas sofrem. A complexidade dos games hoje é imensa, os jogos possuem várias etapas, estágios e funções, em outras palavras, muitas linhas e linhas de códigos que precisam ser testadas.

Games também são aplicações e precisam de testes para garantir sua venda e o retorno do investimento. O mercado de jogos vem crescendo no país. De 2013 a 2018, o número de estúdios de desenvolvimento de games no Brasil passou de 142 para 375. Segundo pesquisa realizada pelo Homo Ludens “somente nos últimos dois anos foram produzidos 1.718 jogos no País, 43% deles desenvolvidos para dispositivos móveis, como celulares, 24% para computadores, 10% para plataformas de realidade virtual e realidade virtual aumentada e 5% para consoles de videogame. Dentro desse universo, foram 874 jogos educativos e 785 voltados ao entretenimento”.

Mercado nacional de games não sente a crise e deve movimentar mais de US$ 1,5 bilhão em 2018. Uma pesquisa feita pela Newzoo em 2017, sobre o perfil do gamer brasileiro apontou para cerca de 66,3 milhões de jogadores no país. Estes jogadores movimentaram uma quantia próxima a US$1,3 bilhões, levando o Brasil ao patamar do 13º maior mercado de games.

Fonte: https://newzoo.com/insights/infographics/the-brazilian-gamer-2017/

Testar games é um assunto é bastante complexo. Vamos compartilhar algumas dicas simples que podem ajudá-lo.

Testes exploratórios: Os testadores jogam o game assim como os usuários finais, mas com o intuito de achar bugs. O objetivo principal é tentar encontrar diversos caminhos e abordagens no jogo, para tentar reproduzir o maior número de cenários possíveis.

Pense fora da caixa: Não siga as mesmas instruções toda vez que for testar. Vá além do escopo para encontrar possíveis vulnerabilidades e defeitos. Faça diferente se quiser um resultado diferente.

Use métodos não convencionais: Jogue na ordem errada ou incorretamente.Isso pode significar, por exemplo, não realizar nenhuma ação ou pular algumas etapas. Fique atento ao que acontece de diferente.

Use a todo momento as funções disponíveis: Tente usar todas as funções in game a cada etapa do jogo, mesmo se ela não tiver utilidade naquele momento do jogo. É importante ver como as funções reagem em cenários que não são úteis.

Examine a renderização: Tente andar através das paredes, obstruções, paredes invisíveis e perceba se estas funcionam corretamente. Fique atento aos sons que podem perder o sincronismo, ter variações de qualidade ou mesmo travar ou permanecer em loops incômodos.

Casos de testes: A equipe de produção ou desenvolvimento deve sugerir aos testadores áreas específicas do jogo que precisam ser testadas. Isso é especialmente importante em jogos extensos e complexos, como aventuras, estratégias e RPGs, por exemplo.

Teste de funcionalidade: Teste os menus em cada função para garantir que tudo esteja funcionando como esperado. Lembre-se que um único jogo pode ter vários menus, acessíveis em momentos específicos do jogo.

Teste de ambiente: É importante submeter o jogo a situações tecnológicas adversas, como carregar o jogo sem internet ou deixá-lo rodando por muitas horas e ver como ele se comporta.

Designar diferentes testadores para a mesma função: Se um testador estiver realizando o mesmo case de testes exaustivamente, pode acabar perdendo o entusiasmo e o foco. O resultado disto pode ser deixar algum bug ou defeito passar despercebido. Testadores descansados chegam com mais disposição e percepção que podem ajudar a fazer caminhos diferentes, e com isso, bugs diferentes.

Teste de performance: Um jogo com gráficos e funções incríveis pode não proporcionar uma boa experiência para o jogador se estiver rodando devagar ou travando. Execute o jogo em hardwares diferentes, testando diferentes texturas, níveis de detalhes e frames por segundo. Caso seja um jogo multiplayer, lembre de aumentar o número de jogadores simultâneos.

Tipos comuns de bugs em testes de jogos:

  • Crash ou Erro fatal: Se o jogo congelar ou fechar de repente, então é um bug muito crítico que precisa ser resolvido.
  • Erros na jogabilidade: Quando uma função em particular não está funcionando como deveria, é considerado um erro na jogabilidade.
  • Física e Colisão: Comportamentos incorretos de objetos 3D.
  • I.A.: A inteligência artificial afeta fatores como movimentação e posicionamento de jogadores e outros personagens.
  • Gráficos: Texturas faltando, gráficos corrompidos, etc.
  • Textos: Textos faltando, mal traduzidos, incorretos, com erros de digitação ou fora da caixa de diálogo.
  • Efeitos sonoros: Efeitos sonoros faltando ou inconsistentes, lábios dessincronizados com a fala.
  • Música: Inconsistência, alteração de volume, música em loop.

Confira alguns exemplos de bugs:

via GIPHY

via GIPHY

via GIPHY

Testar e desenvolver jogos é um processo longo e complexo. Os métodos não convencionais e uma observação criativa ajudam a encontrar bugs em diversos estágios do desenvolvimento. A expectativa dos consumidores de jogos é altíssima e um pequeno erro pode ser a receita para um revés no sucesso do jogo.

eBook RPA - Robotic Process Automation

Você está pronto para a (r)evolução?

Uma nova onda de automatização está chegando. Os robôs em software assumirão boa parte das rotinas de finanças, marketing, RH, TI, logística e outras áreas. Dotados de inteligência artificial, os robôs podem tomar decisões considerando um grande volume de dados. Eles são mais baratos, rápidos e eficientes que qualquer humano.

RPA não é assunto de TI! Todo gestor precisa conhecer o RPA e iniciar sua implantação para ganhar eficiência e proteger sua competitividade. Preparamos um ebook sobre o RPA. Nele, você entenderá a definição e a aplicabilidade desta tecnologia. Redigido em linguagem acessível, qualquer gestor pode aproveitar este material.

Baixe agora mesmo